Support ChangeAngel Seed Card Campaign - Litecoin Bitcoin Printables

Truly excited about the Crypto Seed Card campaign launched by Changeangel.io. A decentralized marketing effort. For anyone doing these cards on a crafty, low budget style like me here is easy print out of my favorite seed card created by @RedKatLife . This great design combines Bitcoin and Litecoin QR codes into one simple card. Spreading them around = spreading knowledge about Cryptocurrencies. 

The campaign is simple: Print seed cards, spread them around as you go, and check out the interactive map from time to see to see if your seed has sprouted. While banks and centralized institutions market debt we are here marketing a decentralized solution to it. Also, changeangel.io has a variety of seed cards available. You will probably find your favorite Alt-coin and if not you can have fun creating an especial design and submitting it the site just like @RedKatLife  created this one below. 

And @JessMikeTrick also created many more that you can also find in his site www.trickstreats.net/

Mensuração de Valor Por Nick Szabo - Tradução Michelle Mafra para projeto Cypherpunks Brasil


Abaixo você encontra a minha primeira colaboração para o site Cypherphunks.com.br. Uma iniciativa maravilhosa que visa traduzir documentos e textos importantes para a cultura e movimento dos cypherpunks. Documentos que explicam a história, ou pelo menos o curto trajeto já percorrido pelas cripto moedas; desde dos conceitos que inspiraram o desenvolvimento da tecnologia blockchain, documentos oficiais de Satoshi Nakamoto até textos atuais relacionados a implementação e desenvolvimento da tecnologia.

Faça parte desse grande movimento que pretende mudar o nosso sistema financeiro para  um sistema mais responsável, transparente, incorruptível e seguro. Acesse o site e aprenda mais sobre o projeto.

Abaixo segue minha tradução do texto de Nick Szabo: Medição do Valor

Mensuração do Valor (Ou Medição de Valor)
Por: Nick Szabo
Tradução: Michelle Mafra 
publicado originalmente em 1997

        Uma questão crucial na economia dos custos de transação


        Introdução.


  Um conhecido faz um favor para você. Como você pode pagá-la de volta e aprofundar o relacionamento? Um investidor examina o balanço de uma empresa. O que os números significam? Eles são mesmo confiáveis? Um juiz deve decidir sobre um prêmio por danos causados a um autor. Qual quantidade de dinheiro, se houver, justamente compensa o sofrimento do queixoso?
  

        Uma ampla variedade de relações humanas e institucionais, desde as mais amigas até as mais antagônicas, deve enfrentar o espinhoso problema do valor: como podemos distinguir com segurança, usando as informações de nossos sentidos falíveis, aquilo que valorizamos daquilo que não? Como podemos descobrir o que outra pessoa valoriza? Dinheiro, trabalho assalariado, mercados e muitas outras instituições econômicas tomam a forma que possuem principalmente porque resolvem problemas de mensuração de valor. Tais questões também estão no centro da atual crise da contabilidade.
  

       Questões de valor são inerentemente subjetivas e pessoais. O valor é muito diferente dos fenômenos objetivos da física, da química e afins. As sociedades desenvolveram instituições como firmas e mercados competitivos para estabelecer preços, precedentes legais e procedimentos judiciais para fazer julgamentos, e assim por diante. Essas instituições, por sua vez, freqüentemente se baseiam na resposta à segunda pergunta, o tópico de nosso redação; Como podemos determinar com segurança o valor daquilo que observamos? Examinaremos a cobrança de impostos como uma instância antagônica do problema de mensuração. A última seção deste ensaio incidirá sobre uma instituição particular desenvolvida para medir valor; contabilidade; e sugerir como isso pode aumentar para desafiar as mudanças radicais em andamento em nossas economias de serviços e informações.  


       Relacionamentos Econômicos 


       No século XIX, os economistas desenvolveram uma teoria de mercados de commodities perfeitamente competitivos (geralmente chamados agora de "modelo neoclássico"). Essa é a fonte de curvas de oferta e demanda, por exemplo. No mercado ideal, a oferta equilibra a demanda resultando em um preço que incorpora todas as habilidades e preferências relevantes dos participantes do mercado. Em tal mercado, esse equilíbrio entre as habilidades necessárias para criar uma mercadoria e as preferências por essa mercadoria constituem o valor dessa mercadoria; podemos medir o valor pelo preço de mercado de equilíbrio. Alguns mercados modernos, especialmente os bem conhecidos, como os mercados futuros de commodities, abordam esse ideal na prática. No entanto, muitas outras instituições, como a firma hierárquica, operam de maneiras muito diferentes. E os mercados modernos são em grande parte de origem bastante recente. Mesmo hoje, a maioria das relações econômicas humanas, como as que ocorrem dentro de uma empresa, estão longe desse ideal.  


   
       No mercado competitivo, uma mercadoria é trocada por outra. (O dinheiro é apenas um tipo de comodidade particularmente interessante). Para que este mercado funcione; para que os preços comuniquem com precisão o valor; primeiro os participantes devem ser capazes de medir o valor das duas mercadorias negociadas. Na verdade, essa é a principal propriedade que distingue uma mercadoria de um bem ou serviço menos economicamente tratável; a capacidade das partes para medir seu valor; a capacidade das partes de observar propriedades de uma mercadoria ou serviço, combinando o que observam com suas preferências particulares, e certificando-se de que esse processo não seja falsificado por traders astutos.   



       O modelo de mercado competitivo foi tão bem-sucedido que os economistas modernos estão agora se aproximando de outras instituições econômicas que antes não eram adjudicadas; como a empresa; e perguntando por que eles existem em tudo! Eles estão trabalhando de trás para a frente a partir de uma teoria muito clara de mercados competitivos para explicar a ampla variedade de outros tipos de relações econômicas, geralmente formalizadas por direitos de propriedade e contratos, em que entramos. Esta escola é mais amplamente conhecida como a escola de economia "custo de transação". Muitas vezes é referido como "novo institucional" ou "escola de direitos de propriedade". A ideia de custos de transação foi desenvolvida pelo economista ganhador do prêmio Nobel, Ronald Coase. Seus herdeiros brilhantes incluem Oliver Hart e Oliver Williamson, junto com Steve Cheung, Yoram Barzel, Armen Alchian, Harold Demsetz, Janet Landa, Robert Ellickson e muitos outros.
  

       Ao comparar uma ampla variedade de formas contratuais com o mercado de commodities ideal, e reutilizando muitas das mesmas premissas usadas pelos economistas neoclássicos; indivíduos com interesse próprio racional, preferências únicas e habilidades únicas; estamos entendendo melhor essas outras instituições econômicas. As economias modernas contêm uma ampla variedade de instituições comerciais, de empresas hierarquicamente comandadas, por um lado, a mercados de commodities livremente competitivos, por outro. Entre uma grande variedade de instituições e os contratos que as formalizam.
  

       Quando alguém inicia uma nova empresa em vez de contratar como empregado em uma empresa atual, podemos pensar nessa decisão como um "voto" de que a economia precisa de mais relações de mercado e menos relacionamentos empregado-empregador. Ao contrário, quando uma empresa compra outra, elas estão implicitamente apostando que a economia precisa de menos mercado e mais firma. Os socialistas, vendo as tendências de integração e economias de escala no capitalismo industrial, pensavam que o mundo acabaria como uma grande empresa, e decidiram que esta empresa deveria ser administrada pelo governo. Isso funcionou horrivelmente. Outros idealizaram um mundo em que não há empresas; todo mundo é um empreiteiro privado, vendendo seus serviços para outras pessoas. Em muitos setores, isso também não é uma novidade. Oliver Williamson e outros economistas estudaram muitas dessas formas e elaboraram alguns critérios que tornam os mercados de commodities competitivos menos do que perfeitos, fazendo com que outros formulários contratuais sejam usados. (Aqui "forma contratual" é a abreviatura de um certo tipo de relação comercial - emprego, franchising, troca de mercadorias, etc. O contrato utilizado pelas partes é geralmente a descrição mais formal e completa do seu relacionamento, bem como o "protocolo de segurança". "Isso define as regras básicas do relacionamento.
  
 
       Esses economistas identificaram uma série de limitações da troca ideal de mercadorias que muitas vezes fazem com que outras formas contratuais sejam usadas. Esses incluem:

  
       Custos de segurança. Outros tipos de custos de transação são incorridos por partes que são oportunistas; são egoístas, mas seguem a letra, se não necessariamente o espírito das regras de um relacionamento (se essas regras são legais, contratuais ou informais). Custos de segurança são incorridos de, ou para proteger um relacionamento contra, partes que são completamente maliciosas; eles podem quebrar qualquer uma das regras, usar ameaças de força, ou realmente realizar atos de invasão, roubo ou violência, a fim de satisfazer seus (infelizmente não tão raros) tipos coercitivos de preferências.
   

       Regra incompletude; a dificuldade das partes em antecipar todas as contingências que possam ocorrer em um relacionamento e, portanto, a incapacidade de planejá-las com regras (por exemplo, por termos em um contrato). A maioria das disputas que chegam aos tribunais, e os novos precedentes legais mais interessantes, ocorrem em situações nas quais as partes que entram em um relacionamento não previram o suficiente para lidar com a frente.
   

       Custo de saída e / ou investimentos específicos de um relacionamento particular. Por exemplo, quando você faz uma aula para aprender a usar o Windows ou o Word, está investindo em um relacionamento com a Microsoft. Outro exemplo é quando uma ferrovia é construída para uma mina de carvão. A ferrovia agora depende da mina para os negócios, e o operador da mina depende da ferrovia para transportar seu carvão. Um terceiro exemplo é o layout em um chão de fábrica, onde os resultados da operação de uma máquina alimentam outra máquina específica. Os exemplos mais comuns são os funcionários que desenvolvem relacionamentos e habilidades de aprendizagem específicas de um tipo de trabalho. Nestes tipos de relações com altos investimentos ou custos de saída, sem boas salvaguardas contratuais, você pode acabar preso em um mau relacionamento; mesmo se ficar ruim, o outro cara te trai, pode ser muito caro sair do relacionamento, ou você pode perder seu investimento.

 
      Quando existe a falta de capacidade de especificar regras e investimentos específicos de relacionamento, o resultado é muitas vezes a integração vertical em uma única empresa. A mina de carvão pode comprar a ferrovia, as operações da máquina ocorrem em um piso de fábrica de propriedade de uma única empresa e assim por diante. Por outro lado, uma empresa tem deseconomias de escala devido à crescente incapacidade de adequar preferências a habilidades em empresas maiores. Como Friedrich Hayek apontou, deseconomias de escala na distribuição de conhecimento sobre habilidades e preferências são uma grande razão pela qual o socialismo funciona muito mais mal do que as economias de mercado. Mais geralmente, essas deseconomias limitam o tamanho da empresa. Certas inovações (como na contabilidade no início da revolução industrial, ou na gestão da cadeia de suprimentos nas duas últimas décadas) melhoraram a distribuição confiável do conhecimento dentro de uma empresa e, assim, permitiram que as empresas crescessem.
 

     As inovações que melhor cobrem contingências ou reduzem a necessidade de investimentos específicos de relacionamento e custos de saída podem prejudicar empresas maiores e beneficiar um número maior de empresas menores. Em vez de um mercado de commodities, muitas vezes uma forma contratual intermediária entre um mercado e uma empresa, como uma franquia, é usada. Uma franquia é um contrato de longo prazo que, grosso modo, especifica muitas regras básicas para operar uma empresa, mas deixa problemas temporários ou exclusivos a critério do operador local.
 

  Em breve, nos referiremos, talvez, ao tipo mais importante de custo de transação, a medição de valor, o principal assunto de nosso ensaio.
 

     Antes de fazermos isso, porém, observemos que esses tipos de custos de transação, embora primeiro estudados no contexto de mercados, não estão confinados a mercados ou mesmo a instituições embutidas no mercado. Ocorrem sempre que um bem é transferido ou um serviço é prestado de acordo com um conjunto de regras ou costumes, por mais simples ou complicado que seja. Esses custos de transação não apenas fornecem uma base para comparar instituições não mercantis ou extra-mercado, como a firma, com o mercado; elas também se aplicam a uma ampla variedade de outras instituições, incluindo muitas que normalmente não imaginamos como instituições econômicas. Assim, por exemplo, as antigas instituições de herança, casamento, tributo, cobrança de impostos e lei de responsabilidade civil envolviam um componente importante da transferência de riqueza. Todos estão sujeitos aos principais tipos de custos de transação descritos aqui; incluindo o nosso principal tópico.   


     Medição do Valor (Mensuração do Valor)

    
     O problema de medição é muito amplo. Ele entra em jogo em qualquer sistema de troca; reciprocidade de favores, troca, dinheiro, crédito, emprego ou compra em um mercado. É importante na extorsão, tributação, tributo e estabelecimento de penalidades judiciais. É até importante no altruísmo recíproco em animais. Considere macacos trocando favores; diga pedaços de frutas para arranhões nas costas. O aliciamento mútuo pode remover carrapatos e pulgas que um indivíduo não pode ver ou alcançar. Mas o quanto a preparação versus quantas peças de fruta constitui uma reciprocidade que os dois lados considerarão como "justa" ou, em outras palavras, não como uma deserção? São vinte minutos de coçar atrás de um pedaço de fruta ou dois? E quão grande é um pedaço? E quanto tempo dura vinte minutos? Em alguns casos, isso é relativamente fácil de resolver, como acontece com o atraso na troca de sangue por sangue em morcegos-vampiros. Esses morcegos podem voltar para casa de uma missão de caça, sobrecarregados ou famintos. Morcegos superestufados podem regurgitar o sangue para alimentar os famintos. O destinatário grato pode lembrar o favor de devolvê-lo em uma viagem de caça futura, quando as tabelas podem ser transformadas. E, de fato, algum grau de comércio recíproco ocorre entre os morcegos vampiros, mesmo entre os não-parentes.
    
  
     Mesmo esse caso simples de trocar sangue por sangue é, no entanto, muito mais complicado do que parece. Como os morcegos estimam o valor do sangue que receberam? Eles estimam o valor de um favor em peso, a granel, por gosto, por sua capacidade de saciar a fome ou outras variáveis? Da mesma forma, as complicações de medição surgem até mesmo na simples troca de macacos de "você coça minhas costas e eu coço as suas".  
  

     Para a grande maioria das trocas potenciais, o problema de medição é intratável para os animais. Ainda mais do que o problema mais fácil de lembrar rostos e combiná-los a favores, a capacidade de ambas as partes concordarem com precisão suficiente em uma estimativa do valor de um favor em primeiro lugar é provavelmente a principal barreira ao altruísmo recíproco entre os animais.  
   

     Também é provável que a barreira mais importante seja a troca entre humanos. Muitos tipos de troca, provavelmente muitos mais do que a maioria dos economistas percebem, são inviabilizados pela incapacidade de uma ou ambas as partes da bolsa avaliarem seu valor. Durante a maior parte da história humana, a maioria dos tipos de mercado possíveis hoje não era viável, em grande parte devido à incapacidade dos potenciais participantes do mercado de mensurar o valor: estimar o valor da transação para si e usar essas estimativas para descobrir e concordar com uma medida objetiva comum. A mensuração do valor foi e também é importante para o desenvolvimento de muitas instituições econômicas relacionadas aos mercados. A contabilidade, que examinaremos a seguir, foi crucial para o desenvolvimento de grandes empresas e sistemas modernos de tributação.
    

     O processo de determinar o valor de um produto a partir de observações é necessariamente incompleto e dispendioso. Por exemplo, um comprador pode ver que uma maçã é vermelha brilhante. Isso tem alguma correlação com seu sabor (a qualidade que um comprador típico realmente deseja de uma maçã), mas dificilmente é perfeita. A aparência da maçã não é um indicador completo; uma maçã às vezes tem um ponto podre lá dentro, mesmo que a superfície esteja perfeitamente brilhante e vermelha. Chamamos uma medida indireta de valor; por exemplo, o brilho, a vermelhidão ou o peso da maçã; uma medida. De fato, todas as medidas de valor, além dos preços em um mercado ideal, são medidas substitutas; O valor real é subjetivo e amplamente tácito.
    

     Tais observações também têm um custo. Pode levar algum tempo para separar maçãs para encontrar as mais brilhantes e mais vermelhas, e enquanto isso, o comprador mata as outras maçãs. Custa ao vendedor colocar um brilho brilhante e falso de cera, e custa ao comprador porque ele pode ser enganado pela cera, e porque ele tem que comer cera com sua maçã. Às vezes, esses custos de medição surgem apenas da imperfeição da comunicação honesta. Em outros casos, como encerar a maçã, o custo ocorre porque as partes racionalmente auto-interessadas jogam com o observável.
  

     Medidas são componentes críticos das instituições; tais como leilões, contratos, sistemas de contabilidade, regras de danos legais, regras fiscais, etc.; que alinham incentivos entre as partes que, antes de participarem da instituição, possuem incentivos incompatíveis. Podemos dividir o problema de medição em dois componentes; o primeiro, escolhendo os fenômenos e unidades que serão medidos, e segundo, medindo esses atributos de forma a minimizar a falsificação da medida entre as partes cujos incentivos em relação ao valor estão desalinhados.
    
  
      O custo geralmente pode ser medido de maneira muito mais objetiva do que o valor. Como resultado, as medidas proxy mais comuns são vários tipos de custos. Exemplos incluem:
    

      Pagar pelo emprego em termos de tempo trabalhado, e não pela quantidade produzida (taxas por peça) ou outras medidas possíveis. O tempo mede o sacrifício, ou seja, o custo das oportunidades perdidas pelo empregado.
     

      A maioria dos números registrados e relatados pelos contadores para os ativos são custos e não os preços de mercado que se espera que sejam recuperados pela venda de ativos.

    
     Dinheiro não-fiduciário e colecionáveis obtêm seu valor principalmente de sua escassez, *custo de reposição


     Agora olhamos para um conjunto particularmente desafiador de problemas de medição; aqueles enfrentados por um cobrador de impostos. Tributação sendo o tipo menos cooperativo de relação econômica; os incentivos entre as partes são os mais desalinhados; o jogo de medições jogado entre as partes toma sua forma mais séria.


     O Problema do Cobrador de Impostos


     A cobrança de impostos é o departamento mais eficiente do governo. Sua eficiência rivaliza com a de muitas instituições do setor privado.  



     Do ponto de vista de muitos contribuintes, essa é uma afirmação incrível, uma vez que os cobradores de impostos cobram dinheiro que nós mesmos sabemos como gastar muito bem, obrigado e, muitas vezes, gastá-lo em atividades incrivelmente inúteis. E as regras pelas quais elas são tomadas parecem muitas vezes arbitrárias. As regras fiscais costumam ser complexas, mas, no entanto, deixam de considerar muitos eventos importantes para o lucro de nossos rendimentos, que nos diferenciam de outros contribuintes.


     Como o dinheiro é gasto está fora do escopo da alegação de que os cobradores de impostos são extraordinariamente eficientes. É o próprio processo de coleta que é o assunto dessa reivindicação e as regras de coleta de impostos. Este ensaio demonstrará a eficiência das regras do coletor de impostos por dois argumentos:
    

     Primeiro, mostraremos por que os coletores de impostos têm um incentivo para serem eficientes (e o que "eficiência" significa nesse contexto)
       

     Em segundo lugar, exploraremos o problema da criação de regras tributárias e veremos como a dificuldade de medir o valor eleva a sua feia posição. As regras fiscais resolvem o problema da medição de valor através de soluções brilhantes, muitas vezes não óbvias, semelhantes às soluções desenvolvidas nos setores privado e legal. Freqüentemente (como, por exemplo, com a contabilidade), os coletores de impostos compartilham soluções usadas para mensurar o valor em relacionamentos privados (como a relação de gerência e de investidores ausentes em corporações de ações conjuntas). É ao fazer essas trocas muito difíceis e não intuitivas, e depois executá-las em uma série de consultas, auditorias e ações de cobrança, que os cobradores de impostos otimizam eficientemente suas receitas, mesmo que os resultados pareçam bastante desperdiçadores para o contribuinte.   

     
      Os incentivos do coletor de impostos estão alinhados com os outros ramos de seu governo em uma tarefa que beneficia todos os associados ao governo, ou seja, a arrecadação de sua receita. Nenhuma organização de qualquer tipo coleta mais receita com menos gastos do que as agências de arrecadação de impostos. É claro que eles têm a vantagem da coerção, mas precisam superar os problemas de medição que muitas vezes são os mesmos de outros usuários de sistemas contábeis, como os proprietários de grandes empresas. Não surpreende, portanto, que os coletores de impostos tenham, algumas vezes, sido pioneiros em técnicas de mensuração de valor e, muitas vezes, tenham sido os primeiros a utilizá-los em larga escala.
    

      Como outros tipos de auditores, o problema de medição do coletor de impostos é mais difícil do que parece. O gerente de investimento Terry Coxon descreveu bem. Medidas ruins ou medições imprecisas permitem que algumas indústrias subestimam sua renda, enquanto forçam outros a pagar impostos sobre a renda que não conseguiram. Coxon descreve o resultado: as indústrias que estão feridas tendem a encolher. As indústrias que se beneficiam pagam menos impostos do que poderiam ser extraídos. Em ambos os casos, menos receita é gerada para o homem do imposto do que ele poderia obter com regras melhores.
    

      Esta é uma aplicação da curva de Laffer às fortunas de indústrias específicas. Nessa curva, desenvolvida pelo brilhante economista Arthur Laffer, à medida que a alíquota do imposto aumenta, o volume de receita aumenta, mas a um ritmo cada vez mais lento do que a alíquota, devido ao aumento da evasão, da evasão e, acima de tudo, do desincentivo ao engajamento na atividade tributada. A uma determinada taxa devido a estas razões, as receitas fiscais são otimizadas. Caminhar a taxa de imposto para além dos resultados ótimos de Laffer em receitas mais baixas em vez de mais altas para o governo. Ironicamente, a curva de Laffer foi usada por defensores de impostos mais baixos, embora seja uma teoria da arrecadação de impostos ótima para a receita do governo, não uma teoria de arrecadação de impostos ótima para o bem-estar social ou satisfação de preferência individual.
    

      Em uma escala maior, a curva de Laffer pode ser a lei econômica mais importante da história política. Adams a usa para explicar a ascensão e queda de impérios. Os governos mais bem sucedidos foram implicitamente guiados por seus próprios incentivos; tanto o seu desejo de curto prazo para a receita e seu sucesso a longo prazo contra outros governos; para otimizar suas receitas de acordo com a curva de Laffer. Governos que sobrecarregaram seus contribuintes, como a União Soviética e depois o Império Romano, acabaram na pilha de poeira da história, enquanto os governos que coletavam abaixo do ideal eram frequentemente conquistados por seus vizinhos melhor financiados. Os governos democráticos podem manter altas receitas fiscais ao longo do tempo histórico por meios mais pacíficos do que conquistar estados subfinanciados. Eles são os primeiros estados da história com receitas fiscais tão altas em relação às ameaças externas que eles podem se dar ao luxo de gastar a maior parte do dinheiro em áreas não militares. Seus regimes fiscais operaram mais perto do ótimo Laffer do que os da maioria dos governos anteriores. (Alternativamente, esse luxo pode ser possibilitado pela eficiência das armas nucleares em deter o ataque, em vez de aumentar os incentivos das democracias para otimizar a arrecadação de impostos).
    

      Quando aplicamos a curva de Laffer para examinar o impacto relativo das regras fiscais em várias indústrias, concluímos que o desejo de otimizar as receitas fiscais faz com que os cobradores de impostos desejem medir com precisão a renda ou a riqueza que está sendo tributada. A mensuração do valor é crucial para determinar os incentivos do contribuinte para evitar ou fugir do imposto ou optar pela desativação da atividade tributada. Por sua parte, os contribuintes podem e falsificam essas medidas de várias maneiras. A maioria dos esquemas de abrigo de impostos, por exemplo, baseia-se no contribuinte, minimizando o valor relatado enquanto otimiza o valor real e privado. A cobrança de impostos envolve um jogo de medidas com incentivos desalinhados, semelhante, mas ainda mais severo, do que jogos de medição entre proprietário e empregado, investidor e administrador, loja e comprador, e réu demandante (ou juiz culpado).
    

      Tal como acontece com as regras contábeis, as regras de danos legais ou os termos contratuais, a escolha de regras fiscais envolve a troca de complexidade (ou, mais genericamente, os custos de medição) por medidas de valor mais precisas. E o pior de tudo, assim como acontece com os outros problemas de elaboração de regras, as escolhas de regras acabam sendo baseadas em medidas subjetivas de valor. Assim, um grande número de casos é deixado onde o código tributário é injusto ou pode ser evitado. Como os coletores de impostos não são leitores de mentes, as regras e julgamentos tributários devem substituir os valores subjetivos reais por seus julgamentos sobre quais seriam as preferências das pessoas “razoáveis” ou “médias” na situação. Coxon fornece o seguinte exemplo. Imagine que quiséssemos otimizar as regras de imposto de renda pessoal para avaliar a receita com a maior precisão possível. Podemos começar o raciocínio ao longo destas linhas:
    

      Citação

    
      "... olhe um pouco mais de perto e você descobrirá que um indivíduo incorre em custos e despesas ao receber um salário. Ele tem que pagar pelo transporte para o trabalho. Ele pode gastar dinheiro em roupas que ele não compraria e em almoços que custariam menos em casa. E ele pode ter gasto milhares de dólares adquirindo as habilidades e conhecimentos que ele usa neste trabalho."
    

      Regras ideais e precisas para medir sua renda levariam, de alguma forma, todos esses e outros custos em consideração. As regras deduziriam o custo da viagem (a menos que ele gostasse de viajar pela cidade de manhã cedo e mais tarde à tarde). Eles deduziriam o custo das roupas que ele não pagaria (na medida em que excede o custo das roupas que compraria de qualquer maneira). Eles deduziriam a diferença entre o custo de comer o almoço no trabalho e o custo do almoço em casa (a menos que ele almoçasse de qualquer maneira). E a cada ano essas regras ideais deduziriam uma parte do custo de sua educação (a menos que ele não aprendesse nada útil na escola ou se divertisse o suficiente para compensar o custo).
      
  
      Citação

  
      "Porque existem limites para a complexidade e ..."
  

      Citação


      "...porque os agentes fiscais não podem ler mentes, o governo lhes dá regras arbitrárias a seguir: nenhuma dedução é permitida para despesas de deslocamento, para roupas adequadas para uso fora do trabalho, para almoços que não fazem parte do “entretenimento comercial” ou pelo custo de adquirir as habilidades que um trabalho requer (embora você possa deduzir o custo de melhorar suas habilidades)."    
<p>
      
  
      Citação


      "As regras resultantes muitas vezes parecem arbitrárias, mas não são. São trade-offs, muitas vezes não óbvios, mas brilhantes, entre os custos de mensurar mais valor com maior precisão e receita extra extraída. No entanto, o problema de medição de valor dificilmente é exclusivo da coleta de impostos. É endêmico ao avaliar danos em leis contratuais e de responsabilidade civil e ao elaborar multas de punição em leis administrativas e criminais. Muitas regras do setor privado encontradas em contratos, contabilidade e outras instituições também têm a qualidade de usar medidas de valor altamente não óbvias que acabam sendo, após um exame atento, soluções brilhantes para problemas aparentemente intratáveis ​​de leitura da mente e inaceitável complexidade de cobrir todos os casos ou contingências. Tais problemas de medição ocorrem em todo tipo de sistema econômico ou relacionamento. As melhores soluções que a civilização desenvolveu para resolvê-las são, na maioria das instituições, brilhantes, mas altamente imperfeitas. Há um grande espaço para melhorias, mas os experimentos em grande escala fracassados ​​nas tentativas de melhorar essas medidas podem ser devastadores.
    

      A curva de Laffer e os custos de medição também podem ser usados para analisar os benefícios relativos de vários esquemas de coleta de impostos para o governo. Antes da revolução industrial, por exemplo, o imposto de renda era inviável. A maioria dos impostos incidia sobre os preços das mercadorias vendidas ou sobre várias medidas ad hoc de riqueza, como a fachada da casa de alguém. (Esse jogo de medição resultou em casas muito altas e profundas, mas estreitas, que ainda podem ser encontradas em algumas cidades européias, como Amsterdã. As escadas são tão estreitas que até a mobília normal tem que ser transportada até a parte superior e depois através de uma janela. com um pequeno guindaste, ele próprio uma característica comum nessas casas).  


IMAGEM - Medição de valor
  
IMAGEM - Medição de valor / Escadaria fiscal
   

       Impostos distorceram a economia da Holanda; literalmente. Aqui estão algumas casas em Amsterdã construídas nos séculos XVII e XVIII, e uma escada estreita típica. Móveis e outros objetos grandes devem ser puxados pelos pequenos guindastes vistos acima das janelas do andar de cima.

       Antes da revolução industrial, os rendimentos eram muitas vezes um assunto muito particular. No entanto, começando na Inglaterra no início do século XIX, as grandes empresas cresceram para uma proporção crescente da economia. De um modo geral, as grandes empresas e as sociedades por ações foram possibilitadas por duas fases de avanços contábeis. A primeira fase, contabilidade de dupla entrada, foi desenvolvida para os bancos comerciais e "super empresas" do início do século XIV na Itália. A segunda fase foram as técnicas de contabilidade e relatórios desenvolvidos para as grandes empresas de ações da Holanda e da Inglaterra, começando com as empresas indianas no século XVII. A contabilidade permitia aos gerentes manter o controle dos funcionários e (na segunda fase) para os proprietários que não gerenciavam acompanhar os gerentes. Essas técnicas contábeis, juntamente com o aumento da alfabetização e numeramento entre os trabalhadores, forneceram uma nova maneira de os coletores de impostos mensurarem o valor. Uma vez que essas empresas maiores passaram a lidar com uma fração suficiente do valor das transações de uma jurisdição, era racional que os governos tirassem proveito de suas técnicas de mensuração, e assim o fizeram. o resultado é o esquema tributário mais lucrativo de todos os tempos, o imposto de renda.    

       Embora os incentivos entre investidores e administradores de empresas públicas não estejam tão mal alinhados quanto os impostos entre o coletor de impostos e o contribuinte, os incentivos para jogar com medições ainda são bastante substanciais. Vamos agora olhar para os desafios que os investidores, jogando um jogo de contabilidade com a administração, enfrentam quando nos movemos para além da era industrial.
    

       Ativos Intangíveis nas Demonstrações Financeiras

  
       Ativos intangíveis; na forma de segredos comerciais, propriedade intelectual, marcas, recursos humanos e assim por diante; tornaram-se mais valiosos do que ativos tangíveis para muitas das empresas de hoje. Nos negócios em geral e na contabilidade em particular, é comum usar o custo como uma medida substituta do valor. De fato, enquanto o valor econômico real de um ativo é o valor descontado dos fluxos de caixa futuros esperados, a maioria dos ativos recebe um valor baseado em seus custos e não em seu fluxo de caixa futuro esperado.
    

       Isso geralmente funciona porque (a) os custos são geralmente baseados em eventos verificáveis que podem ser assinados e auditados, enquanto previsões de fluxo de caixa são meras especulações sobre o futuro, (b) na maioria das condições, esperamos que os gestores tenham agido racionalmente, dinheiro somente onde eles esperam, em média, um eventual retorno maior, e (c) leitores habilidosos de demonstrações financeiras aprenderam com a experiência que jogos podem ser jogados pelos gerentes (porque seus incentivos diferem de outros interessados) e para detectar sinais de que gerentes ter agido irracionalmente (por exemplo, sobre ou sob investimento em ativos específicos).
    

      Assim, os números contábeis para ativos tangíveis nunca foram considerados literalmente ou isoladamente por leitores habilidosos das demonstrações financeiras. De fato, a aparente concretude dos tangíveis pode ser bastante enganosa. Um leitor experiente sabe que a maioria dos números contábeis representa os custos e não o valor, e aplica seus conhecimentos sobre a indústria para determinar por si mesmo como o valor pode realmente ser estimado por esses custos. Por exemplo, um leitor ingênuo assumirá os ativos atuais pelo valor de face, enquanto um leitor qualificado procurará condições como crescimento anormal de estoque ou recebíveis. A função real de uma demonstração financeira é fornecer pistas para analistas baseados em fatos bem verificados, e não fornecer respostas definitivas para aqueles que buscam avaliar uma empresa.
    
  
      Algumas objeções à inclusão de intangíveis no balanço patrimonial são inválidas. Por exemplo, argumenta-se que os intangíveis gerados internamente não podem ser valorizados porque não foram comprados no mercado. No entanto, esse também é frequentemente o caso de inventários e inventários industriais exclusivos. Desenvolvemos métodos como identificação específica para valorizar ativos gerados internamente, e estes também podem ser aplicados a intangíveis gerados internamente. A alocação de custos comuns a vários ativos intangíveis (por exemplo, uma biblioteca de software usada em dois produtos de software diferentes) pode se basear na longa experiência na alocação de custos comuns a vários ativos tangíveis.  
  

     Outra objeção mais válida é que o valor real, no fluxo de caixa, dos intangíveis é muito mais incerto do que para a maioria dos ativos físicos. Assim, o mapeamento do custo para o valor é muito mais incerto. Esse mapeamento pode ser feito com maior certeza apenas sobre um agregado de diversos investimentos. No entanto, existem certos tipos de ativos físicos cujo valor também é altamente incerto, mas recebem um valor baseado em custos. Os gerentes racionais descontaram seus investimentos originais para levar em conta esses riscos. O mesmo vale para os ativos intangíveis. Leitores qualificados de demonstrações financeiras sabem quando esperar alta incerteza. Muitas vezes, eles exigirão mais detalhes da administração sobre os investimentos específicos. Fornecer maior detalhe onde os intangíveis estão envolvidos é altamente recomendável, um ponto a que retornarei abaixo.  


     Por outro lado, muitas medidas propostas de valor intangível são não-iniciais para fins de demonstrações contábeis ou financeiras. Por exemplo, várias medidas foram apresentadas supostamente relacionadas a fluxos de caixa esperados (por exemplo, medir acessos a sites, taxas de retenção de clientes etc. para tentar estimar o valor de uma marca). A única vez que o valor esperado, em vez do custo, é usado em um balanço patrimonial para tangíveis é quando o ativo pode ser atualmente precificado em um mercado eficiente, competitivo e público. (Por exemplo, os estoques de commodities negociados publicamente podem ser avaliados dessa maneira). Caso contrário, é muito melhor usar o custo, o real evento da despesa, e deixar que os leitores habilidosos da demonstração financeira interpretem esses números adequadamente.  

  

     Aqui estão alguns comentários específicos e propostas para tipos específicos de ativos intangíveis:

    
     Patentes e Direitos Autorais 

  
     Uma empresa possui esses direitos legais em todas as economias desenvolvidas e menos desenvolvidas. Os direitos autorais são muito bem definidos, mas em alguns casos são muito difíceis para a empresa ou o estado realmente controlar. As patentes podem ser muito mal definidas, de modo que a ocorrência de uma perda de direitos sobre a tecnologia atual não é clara. No entanto, presumivelmente, os gerentes descontam seus investimentos originais para levar em conta esses riscos. Assim, se os custos podem ser alocados a patentes e direitos autorais específicos, eles constituem uma medida substituta para o valor de ativos patenteados e protegidos por direitos autorais. Isso é bastante semelhante ao uso do custo de um ativo físico, cujo eventual valor do fluxo de caixa é altamente incerto, para avaliar esse ativo e permitir que o leitor qualificado interprete o número resultante adequadamente.    


     Marcas

 
     Uma empresa possui direitos legais sobre sua marca em todas as economias desenvolvidas e menos desenvolvidas. As empresas ainda têm algum controle sobre a percepção na mente das pessoas, na medida em que suas ações observáveis influenciam essa percepção. Alguns nomes de grandes marcas mostraram um valor muito persistente, enquanto os menores têm maior probabilidade de serem esquecidos. É possível mapear os tratamentos contábeis atuais para investimento, manutenção e depreciação de ativos físicos para investimento e manutenção de uma marca, bem como a tendência de os clientes esquecerem ao longo do tempo uma marca que não é mantida.

     Recursos Humanos

 
     Os funcionários não são de propriedade, mas o mercado de trabalho não é perfeitamente fungível. Há alguma aderência a isso. De fato, essa rigidez pode ser medida pela taxa de rotatividade da empresa. A taxa de rotatividade, um número bastante auditável, pode fornecer uma excelente maneira de depreciar um ativo definido pelos custos de contratação e treinamento.
  

     Comentário final sobre intangíveis

  
     Até que uma longa experiência seja adquirida pelas partes interessadas com determinados tipos de investimentos intangíveis, a capacidade de avaliar se os custos são racionais e satisfazer os interesses das partes interessadas, além da administração, será fraca. Uma grande variedade de experimentos de relatórios, a maioria dos quais falhará, são essenciais para obter relatórios mais precisos dos valores de ativos para as partes interessadas. A interpretação de demonstrações financeiras intangíveis e pesadas é um trabalho para analistas qualificados, e não para leitores ocasionais. Para o especialista, mais informações são melhores; os registros detalhados das despesas e sua alocação aos ativos intangíveis são mais importantes para o stakeholder qualificado do que os totais resumidos. Esses registros detalhados devem ser divulgados aos interessados, apesar das objeções sobre confidencialidade. Somente uma longa experiência com esses detalhes ensinará as partes interessadas se e como julgar os totais resumidos que envolvem intangíveis.    


     Conclusão

 
     A medição do valor é um dos problemas mais intratáveis da civilização. Soluções brilhantes e altamente não óbvias para este problema; dos mercados ao dinheiro, ao tempo-salário, à contabilidade de custos; constituíram alguns dos passos mais importantes do animal para a civilização. Historicamente, as soluções para um problema de mensuração de valor (por exemplo, contabilidade de valor em uma grande empresa) também possibilitaram outras instituições (por exemplo, imposto de renda, que deve primeiro resolver o mesmo tipo de problema para ser competitivo com outros tipos de tributação). A contabilidade de ativos intangíveis pode agora ser o problema de mensuração de valor mais importante que enfrentamos à medida que avançamos além da era em que as commodities industriais tangíveis dominavam a economia.
 
     Bibliografia


    (em construção)

  
        Adams, Charles, For Good and Evil: The Impact of Taxes on Civilization
      
        Barzel, Yoram, 1982. "Measurement Cost and the Organization of Markets", Journal of Law and Economics 25, no 1:27-48
    
        Cheung, Steven N.S., 1969. A Theory of Share Tenancy. University of Chicago Press.
      
        Cheung, Steven N.S., 1983. "The Contractual Nature of the Firm", Journal of Law and Economics 2, no 1:1-22
      
        Coase, R.H., 1937, "The Nature of the Firm", Economica 4, no. 3:386-405
    
        Coase, R.H., 1988 The Firm, the Market and the Law, University of Chicago Press 
      
        Coxon, T., 1996 Keep What You Earn, Times Business/Random House
     
        Hayek, F., "The Use of Knowledge in Society"
      
        Williamson, Oliver, The Economic Institutions of Capitalism, Free Press 1985
     

Comments

Popular articles

LedgerX just launched the first physical Bitcoin futures contracts in the USA

What happened at the Bitcoin Conference 2019 San Francisco - Mamaecrypto

Do crypto banks already exist?

My art on the Blockchain with Creary - Obsessive Compulsive Series 1 - Curve

Verasity Is The Best Attention-Based Video Rewards Model

Saiba porque a Verasity será o próximo aplicativo de sucesso popular

Bounty App Quiz Game - Verasity (VRA) TRIVIATA

Ledger Nano S Giveaway - Sorteio Mamaecrypto

My art on the Blockchain with Creary - Obsessive Compulsive Series 2 - Curve / Stripe